Seguidores

terça-feira, 2 de abril de 2013

A IGREJA-SHOPPING-TECNOLÓGICA


Por Marcos Barbosa
Editor do blog “VOLTEMOS ÀS RAÍZES

A igreja evangélica atual tem se enamorado com a alta tecnologia deste século e como conseqüência perdeu sua identidade. Sua eficácia se tornou uma piedade fria. Hoje, os templos são suntuosos e viraram verdadeiros shoppings. É a igreja-shopping-tecnológica. Nela há restaurantes, estacionamento com manobristas, sauna, pista de skate, sala de jogos, quadra poliesportiva e até academia. Sem falar dos vitrais, granitos, tapetes persas, poltronas reclináveis, e telões de plasma espalhados em pontos estratégicos na catedral climatizada e em suas dependências agregadas. Dessa forma, o crente que virou crente-cliente pode assistir o culto-show não somente dentro do templo, mas no restaurante, no estacionamento, na quadra poliesportiva, na sauna ou praticando academia. O pastor que virou executivo-pastor fecha negócios com farmácias, oficinas mecânicas, colégios e lojas de grife para que o crente-cliente tenha descontão em suas compras e utilização de serviços.

Nos domingos a igreja-shopping-tecnológica assemelha-se a um aeroporto internacional em alta estação. É um lugar de grande concentração. As pessoas não se olham nos olhos e o ruge-ruge de “ovelhas” batendo-se umas nas outras é assustador. Ninguém se conhece e a saudação padronizada “A paz do Senhor” tornou-se plástica. Na igreja-shopping-tecnológica conduzir a Bíblia na mão é ser ultrapassado. O tablet é usado pelo executivo-pastor e pelos crentes-clientes. Aliás, o executivo-pastor sempre entra na igreja com a pasta de executivo numa mão e na outra o tablet. Na escola dominical é indispensável o Notebook, o Data-show e o Smart-board.

A ceia do Senhor na igreja-shopping-tecnológica não é mais servida coletivamente, é self service. Há a “sala-ceia” onde cada fiel a qualquer momento utiliza-se do kit-ceia com textura judaizante: pão sem fermento, vinho e ervas amargas. O recolhimento dos dízimos e ofertas ocorre via cartão de crédito. A água do tanque batismal da igreja-shopping-tecnológica provém do rio Jordão. No batismo, o executivo-pastor mergulha o fiel-crente-cliente, três vezes na água do tanque batismal ao som de um shofar. A ambição religiosa na igreja-shopping-tecnológica chega ao clímax: Deus opera movido a mamon e o céu é sujeito ao comando da terra. Ou seja, a terra comanda o céu, pois há “poder” nas palavras do executivo-pastor. Após a ceia há gente vendendo sabonete “ungido”, sal “ungido”, óleo “consagrado”, tapete “poderoso”, água “benta”, perfume que exala o “cheiro de Cristo”, hidratante “santo”, e até pedaços da toalha com a qual o executivo-pastor cheio da “unção” se enxugou.

Através de sermões sempre em tom positivo, a voz aveludada do executivo-pastor consegue muitas adesões. Ninguém questiona o que ele diz. O rebanho-cliente deve se encaixar ao que o líder-executivo fala, caso contrário, é tido como rebelde. Se o líder disser que preto é branco todos devem concordar. Se o líder “decretar” todos devem se curvar. Durante o culto todos devem repetir o que o líder disser o que é para repetir, e haja papagueado! A pastoexecutivolatria entre os crentes-clientes é nauseante. O anelão de “doutor” no dedo do executivo-pastor fala muito alto ao rebanhão. No intuito de impressionar as pessoas, o executivo-pastor chama o prédio de sua igreja de santuário e os cantores de levitas. Ora, o prédio não é morada de Deus, portanto, não é santuário. O Senhor não mora em prédios, mas em pessoas convertidas. Os convertidos é que são santuários. Santuário não é o telhado, nem as colunas, nem as paredes, nem o chão, nem o púlpito, mas todos quantos foram regenerados pelo Poder de Deus. Vale salientar que o termo “levita” não é correto, pois o ministério sacerdotal que inclui os levitas se encerrou no Antigo Testamento. Todo ministério sacerdotal foi substituído integralmente por Cristo. Em Efésios 4:11 onde está listado os dons não aparece o dom de “levita” e nem faz qualquer menção a ministérios sacerdotais.

O seminário da igreja-shopping-tecnológica é secularizado. Homens como Freud, Carl Jung, Alfred Adler, Piaget, Peter Drucker, José Saramago, Nelson Mandela, Madre Tereza de Calcutá, Martin Luther King, Desmond Tutu, Dalai Lama, Mahatma Gandhi, Roberto Justus, Augusto Cury e Lair Ribeiro tomaram o espaço da Bíblia. Tudo é calcado na subjetividade e não em verdades históricas. Como a igreja-shopping-tecnológica quer lotação, o seu seminário ensina técnicas de marketing para igreja e estratégias de manipulação de pessoas.

Oremos pelo resgate da essência do cristianismo! Voltar às raízes não é retrocesso, é não perder a verdadeira missão.

Pesquisar assuntos, temas ou postagens

MILAGRES

Veja quem nos visitou recentemente